O avanço desenfreado da tecnologia faz-se cada vez mais presente nas novas gerações: pesquisas indicam que dentre os 68 milhões de usuários da internet no Brasil, cerca de 15% têm entre 10 e 17 anos, e que o uso dos smartphones é o mais frequente quando comparado ao da televisão e dos computadores nesta faixa etária.

O desejo de conectividade e consumo tecnológico é uma forte característica das novas gerações. Existe um dilema relacionado a esse avanço da tecnologia, vivenciado pela maioria das famílias: qual o momento certo de permitir o acesso dos filhos aos smartphones?

Smartphone para Crianças – Como Medir o Uso

Os smartphones, quando incluídos corretamente na rotina, são uma ótima ferramenta no desenvolvimento da atenção e da agilidade mental das crianças. O uso consciente dos smartphones e de qualquer outra tecnologia não é prejudicial à saúde das crianças, mas exige um acompanhamento dos pais, responsáveis por dosar o uso e a inclusão dessas ferramentas na rotina da criança.

Em contrapartida, o mau uso dos smartphones pode ser extremamente nocivo à saúde da criança, afetando seu desenvolvimento, seu sono, sua vida social e acadêmica, restringindo-a de experiências de interação com outras crianças e possibilidades de aprendizagem.

Existem algumas medidas para dosar o uso dos smartphones: sugira à criança outras opções de atividades que não sejam voltadas às tecnologias, converse com ela sobre os conteúdos que ela acessa e restrinja seu acesso ao aparelho antes de dormir.

O mau uso dos smartphones impacta negativamente não só a criança, como também toda a família. Por isso, é papel dos pais limitar o acesso de seus filhos ao aparelho e estarem sempre atentos, orientando e fiscalizando os conteúdos que ele acessa.

Smartphone para Crianças – Quando é o Momento Ideal?

Existem reflexões que podem orientar o momento ideal de liberar o acesso da criança aos smartphones. A faixa etária ideal para a criança ganhar um smartphone indicada pelos especialistas é entre 10 e 12 anos, mas não existe lei: a decisão sempre será dos pais.

Existe um consenso ético em evitar a exposição a essa tecnologia antes dos 2 anos de vida. Dos 2 aos 5 anos, recomenda-se limitar o tempo de exposição às mídias ao máximo de 1 hora por dia. Mesmo depois que o acesso estiver liberado, faça um mapeamento regular dos conteúdos que a criança acessa.

Smartphone para Crianças – Papel dos Pais

Sabe-se que na educação infantil o exemplo dos pais é fundamental. Por isso, se a sua decisão for restringir de fato o acesso do seu filho ao smartphone, o primeiro passo é dar o exemplo, limitando o próprio uso.

Contudo, não é possível fechar os olhos diante do constante avanço da tecnologia, que inevitavelmente estará cada vez mais presente nas novas gerações, e cada vez mais cedo. Os pais não devem ser refém dos smartphones, mas também não precisam conservar um pensamento fechado sobre o uso das ferramentas tecnológicas que também pode ser benéfico, quando moderado.

Existem algumas medidas para dosar o uso dos smartphones: sugira à criança outras opções de atividades que não sejam voltadas às tecnologias, ensine-a a valorizar os momentos presenciais, converse com ela sobre os conteúdos que ela acessa e restrinja seu acesso ao aparelho antes de dormir.

Manter o controle sobre os conteúdos que os filhos acessam também é papel dos pais. Restrições de acessos são válidas para proteger a criança de conteúdos abusivos. Esteja sempre atento aos aplicativos e sites que prendem a sua atenção do seu filho, mas preservando, simultaneamente, sua individualidade.

Além disso, não permita que a tecnologia substitua a atenção e o afeto no ambiente familiar. Valorize as conversas presenciais e esteja sempre presente na vida do seu filho.

Smartphone para Crianças – Quando é o Momento Ideal?
5 (100%) 59 votes

Dúvidas e Sugestões Aqui: